Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Desesperos Anestesiantes



De que serenidade sou acometida?
Daquelas que nascem dos desesperos anestesiantes?
Não há nada que serene mais
do que um desespero
que não alcançou uma solução.
Ficando assim indissolúvel
a alma de espanto e relutância
começa então a acalmar-se
até anestesiar-se tão completamente
chegando a contemplar-se sem saída
que então serena.
Anaís
Enviado por Anaís em 08/02/2006
Código do texto: T109479
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anaís
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil, 43 anos
55 textos (1647 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:42)
Anaís