Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BRAILLEBODY



Estou suavemente flutuando sobre pedras e corpos largados à êsmo por políticos insanos e brasileiros que se escondem dentro de ternos e voam velozes e veludosos em aviões gozosos em céu de azul puro e morfina e ópio e gás.
Você não vê?

Estou deslocando meu cérebro e o deixando perto do seu mouse para que delete o que envenena a memória e o transforma em caixa preta e ainda assim espero que instale um programa parecido com o seu ou seja viver como um sujeito que conhece o brilho das estrelas e crê em garotas em Marte.
Você não vê?

Primeiro as pernas depois os braços depois o tronco depois o resto e só sobrou o coração que te dou sem formol e sem frasco e por favor não guarde na geladeira pois sinto muito frio quando geleiras são abatidas e escorre água no quarto dos fundos pois lá não há calha.
Você não vê?

A boca foi feita na medida para ingerir alimentos mas a boca fala e vocifera e acusa e ri e sorri e guarda e solta a lingua e ainda esconde um céu não com estrelas mas com palavras salivadas e mastigadas e engolidas e ruminadas e se você prestar atenção a boca ri nervos e neurônios e faz cara de sono quando acaba o filme.
Você não vê?

A sensação de pegar uma montanha no colo sugere a sensação de tirar a roupa de um robot e convidá-lo a mergulhar na piscina de geléia e iogurte e assim duas pessoas vão fundo quando podem ser quem são sem as diferenças assustadoras que são apresentadas nesses congressos de robótica e mesmo aqueles que usam óculos de grau podem perceber falhas mecânicas nos homens e falhas humanas nos robot's.
Você não vê?

Se você estender a mão poderá enfiá-la na pele do invisível e de repente uma outra dimensão surge aparentemente do nada como se você percebesse que a pessoa que está do seu lado tem mais coisas pra te dizer que todos os jornais ou o Rumsfeld e só percebe que a coalizão foi um ato econômico e será cada vez mais apavorante a aproximação com atos letais pois como você nasceu nos tempos modernos não experimentou a Inquisição e nem a caça às bruxas.
Você não vê?

Um sax. Um solo de sax numa música de Tom Waits e penso em você em algum lugar do mundo se sentindo feliz ou não isso não importa o que importa é que você está vivo e pode se levantar ou não e pode viver ou não e caminhar ou não e amar ou não e beijar ou não e abraçar ou não e escutar alguém falar de sua vida ou não e o que importa é que tem você tem olhos para ver ou não e boca para beijar ou não e sorrir ou não e mesmo assim estou feliz por você estar vivo e emitindo esses sinais que estou recebendo mesmo não estando perto e nem vendo você e o que isso importa se o que importa é que você está aí e eu te desejo tudo de bom.
Você está vendo?

Preto Moreno
















Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 08/02/2006
Código do texto: T109517

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6783 textos (102553 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:52)