Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A IDA



Terra virgem, guardei-a para o dia
seguinte. Não a limpei das ervas. Nem
me esqueci das pedras em que o olhar
se perdeu. Levei tudo comigo até ao mar,
como se não me libertasse dela, sem
uma última vez beijar-lhe o pó, o sol.

Guardei-a para o fogo, para os alicerces
da viagem, pelo seu olor húmido e antigo.
Restam-me, ainda, algumas sementes e a voz
que o vale cimentou dentro do meu peito.
Tantos testemunhos lá se foram, rostos
já esquecidos; só ficou o calor das suas mãos,
as suas sombras perdidas, entre o nevoeiro.

Ninguém voltou. Nas narinas deixou o cheiro
da terra, uns barcos de pesca de todas as cores
e a atracção pelos velhos abismos, decompostos
em areão e cantaria, com canaviais à mistura,
desnudados sem pudor pela força ágil da ventania.
Por sobre os cadáveres, jamais nasceram flores.

José António Gonçalves
(inédito.17.05.04)

http://members.netmadeira.com/jagoncalves/
JAG
Enviado por JAG em 09/02/2006
Código do texto: T109732
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JAG
Portugal, 62 anos
117 textos (41779 leituras)
4 áudios (187 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:17)
JAG