Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TODOS MENOS UM



Hoje, muito mais que ontem e bem menos do que amanhã,
olhar para cima e avistar o céu, Avatar de sonhar,
empreender viagem por dentro da voragem da cidade,
compreender as minúcias das mulheres de pelúcia,
esticar os braços e apanhar astros
distraídos que circulam e perambulam
em olhos constituidos de permanência,
hoje, muito mais que amanhã e bem menos que ontem,
compor a ária surda, ver que a horda muda
elege seus santos e gravitam em torno de um Deus
que usa sangue e bombas e crianças em sacos de estopa,
beber até cair o petróleo da vingança maldita,
xiita, sunita, saudita, relógio, mesquita, vingança,
o quintal das desavenças espalhando pó de aço,
o muro que era terra que era herança queda o salto,
vem ver o seu planeta em agonia como se fosse
o fim do dia para a noite de camisolas negras,
hoje, muito mais que hoje e bem menos que qualquer hora
avistar o foguete subindo para um céu sonhado outrora
e nada lá encontrar, nem púlpito, nem santo, nem altar,
uma sala vazia de vozes e repleta de astros,
a razão da multidão é a multiplicação de sentidos,
ninguém nos dará ouvidos por termos a arma perfeita,
não se participa da ceia arrancando as orelhas,
um cortejo é composto de todos que vão
e menos um que não volta,
qual humanindade estará disposta a esquecer de si,
sair por aí como antiga cavalaria sem espadas,
recriar do nada a sagrada e perpétua enxada
para cavocar o céu até que jorre o mel,
até que a inteligência cerre as portas
e só permita pensar o impensado por linhas tortas
é que não se consegue chegar à comporta
do primeiro coração, fora do perímetro da razão,
hoje, bem menos que todos os tempos
e bem mais do que sempre,
fazer a escolha perfeita é recolher a chuva
e chover para a perfeita colheita,
recolher o que se colhe e preparar a receita,
comer, beber, se fartar, não deixar faltar,
enquanto existir o ar,
enquanto lá permanecer o mar,
enquanto o Avatar de sonhar
levanta as pesadas pálpebras
e separa e escolhe e recolhe
os viajantes suspensos no vestíbulo do presente momento.


Preto Moreno
13/02/2006












 
Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 13/02/2006
Código do texto: T111421

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6768 textos (102472 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:10)