Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

É TARDE

Na alma medra
O que a dor engedra
- um mortal desgosto.
Fica-me o vazio
De um sol já frio
No ocaso posto.

Do vento o açoite,
Na entrada da noite,
Enregela-me o peito.
Uma mágoa estranha
Nasce da entranha
Do porvir desfeito.

No céu, calmaria,
Vai longe o dia,
Vem triste negrume.
De angústia um aperto,
No espaço deserto,
Soluça um queixume.

Branda calma
Se apossa d’alma
Que debalde chora
No dia que morre,
Na noite que corre...
É tarde agora.
mreno
Enviado por mreno em 13/04/2005
Código do texto: T11169
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
mreno
Itajubá - Minas Gerais - Brasil
37 textos (1814 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 06:56)