Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BALADA AO IRMÃO ESTUDANTE

ah, irmão estudante,
você tão só,
multiplicador de outros tantos
que não irão pensar em riscos de vida:
no afã das idéias
- Galileus -
do amanhã.

ah, irmão estudante,
você tão só,
cercador e cercado por tantos
cerceadores ou libertadores da palavra:
boato ou notícia
- desmentido –
num rodapé.

Cadê sua rebeldia,
sua vontade própria
de fazer democracia  com democracia,
falando o que lhe venha à telha
mesmo que o teto lhe desabe sobre a cabeça.

O cidadão comum,
estudante amigo,
de farol escuro, de salário mínimo, de estima baixa,
cansado de tudo: dos fatos e dos fardos,
não indiferente às reivindicações,
entendem e lhe falam alto,
sem voz de prisão.

Irmão e amigo,
ouça nem sempre o que quis dizer:
ser a cara da coroa ou a coroa da cara
- meio sorte, meio azar -
é tão relativo quanto o dez máximo
sem desgrudar o umbigo da carteira,
e, da vida, nada aprender.

Se sua média for a da mesma classe,
não aceite cola ou sugestões,
para tornar melhor todo o universo
de questões do coração
numa só prova.


O tempo da certeza
- demora, mas aparece -
tenha você deficiência visual, dislexia,
mau café da manhã, pais desajustados,
arrimo de família, maior desconcentrado.
É difícil achar a causa do mau aprendizado.


Colega, irmão estudante,
é chatíssimo cantar toda manhã
- na decoreba -
o Osório Duque Estrada,
ler com ufanismo
- piegas -
do Gonçalves.

Mas, como em toda história,
há uma moral ou lição de anarquia:
por pior que aqui esteja, não será melhor que lá!

Apanhei dos companheiros,
estudante de poucos livros,
apesar de, involuntariamente, ter lido todas as cartilhas
no tempo em que nem havia rodapés.

Calar, irmão amigo,
é bem melhor que bater sem ter motivo
e pintar a cara sem ver a cor do time do coração.
Falar por falar,
- sem convicção -
é pura perfumaria da palavra, amigo-irmão!
 

ah, irmão estudante,
compreendo todo seu direito de ter ido embora do Brasil
e de ter voltado com a mala mais cheia de saudade.

Admiro sua coragem do sonho ilhado,
amigo estudante,
distante de todos os conflitos,
do perfeito, da utopia
de falar fluentemente sem enrolar a língua
por ter amantes sem cor e sem sal,
só para ser a companheira.


Não dite,  irmão estudante,
o comportamento de tudo já escrito,
apesar de ser indispensável a literatura
do Sartre, do Kardec, do Amado, do Freud, do Cervantes, do Arrabal,
não tente ser purista ao assimilar só o que lhe interessa.
Leia tudo o que lhe bata à passarinha,
mesmo que o dito contradiga
os abcês do modismo.

ah, amigo estudante,
muito cuidado com o coco dos pombos:
e com os panfletos
que tanto já lhe caíram à cabeça,
e, por sorte, não lhe provocaram amnésia parcial.
Divergências serão sempre necessárias,
irmão estudante,
na vida, na arte, na contestação, na cumplicidade
de quem, fatalmente, um dia saberá concordar.

ah, irmão estudante,
cheio de raízes,
informaram-me
[há pouco]
que você deveria saber
do Ziraldo a criar projeto pra crianças,
do Millôr que continua rabiscando,
que Paulo Pontes voltou a ser encenado,
que quem contribuiu para a história não morrerá esquecido
como você, tão bandido,
banalizando como um estudante primário,
de rodapé manifestado.

Respeito-lhe tanto,
irmão estudante,
pela Pátria que você, até, pode não ver!
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 16/02/2006
Código do texto: T112816
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19522 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:34)
Djalma Filho