Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O QUERER

Pontua em mim o abrolhar de um novo querer.
Não sei qual. Não sei como. Nem sei sua cara,
se barba, se tem o fulgente semblante da serenidade,
se cara tem. Aparece como em pentagramas.
Pontos negros, espalhados pela fervura que anima;
vem de algum fundo, e esparge como o que flutua.
Cogumela por entre nossos corpos.

Traz o que se produz em campos infinitos e desconhecidos,
de onde nada sabemos,
a não ser que enraízam por um tempo de sofreguidão.
por mais êxtase portem.

Embriaga-nos com seu sorriso. Seduz-nos  seu olhar.
Mas, pior, obriga-nos a um sofrimento do cumprido.
Se houver o não, haverá a destecedura do provável.
Inexiste o ponto de partida, e o findar em esteios.

O querer é o flamívolo que deita em nossas delicadezas.
O querer nos move à vida. Seja lá como a vida se desdobrará.
O querer não toma conta. Torna-se.
Assume-a em lugar de nós.
Não como posse da terra, mas como a terra.

O querer não resplandece, ele é  sempre.


2006
alfredorossetti.com
ALFREDO ROSSETTI
Enviado por ALFREDO ROSSETTI em 18/02/2006
Reeditado em 20/10/2015
Código do texto: T113270
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ALFREDO ROSSETTI
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 65 anos
143 textos (2367 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:38)
ALFREDO ROSSETTI