Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ver a água correr,...

Ver a água correr,
Por entre os dedos
Ver o tempo passar,
Nas voltas do coração
No sentir do só,
Sozinho, solidão
Das marcas que emanam
As horas que passam,
Passam & parecem
Desaparecem com a luz do Sol,
Ao cair da noite
Poucas coisas ficam,
E as que ficam,
Pouco marcam,
São as sobras,
São as sobras,
Que de sobras,
Pouco ou quase nada,
Resta, mas ajuda,
Todo passado,
Sinal de velho,
Quanto velho,
Quanto passa
Mas escorrega,
Não predestina,
Pois destino, não é saga,
Ou se faz, dia a dia,
Que carrega,
Só não a solidão
Sentida, ressentida & sofrida,
Sem saber o que é sofrer,
Mas demarca como uma ruga
Parada no ar
Pois o medo é pelo medo,
De se tentar
E escutar, de coração cortado,
Dizer-lhe sem ao menos
Pensar
Um solene não.

Peixão89
Solidão & Afins – 1984-85-90
Peixão
Enviado por Peixão em 14/04/2005
Reeditado em 11/09/2009
Código do texto: T11331
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Peixão
Santo André - São Paulo - Brasil, 57 anos
3231 textos (120252 leituras)
1 e-livros (241 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:20)
Peixão