Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Sob a ponte de minha existência
Corre um rio sem fim.
Com amplas margens de saudades
E um pé de tristeza carmesim

Recostado ao para-peito imaginário
Olhar frouxo no além desconhecido
Borbulha o meu coração desalentado
Pervertido de aflição esmorecido...

As águas barrentas do Rio Velho
Que desce cambaleante de incerteza
Carregam em seu dorso minhas lágrimas
Como flores que perderam a beleza

Imóvel no limiar do Ser-Não-Ser
Já não quero mais voltar, nem prosseguir.

Como o veleiro numa noite atormentada
Passar, desexistir, ver outras margens.

José Mattos
Enviado por José Mattos em 23/02/2006
Reeditado em 24/02/2006
Código do texto: T115418

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (www.josemattos.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Mattos
Santa Rita do Pardo - Mato Grosso do Sul - Brasil, 52 anos
54 textos (2839 leituras)
1 e-livros (48 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:36)
José Mattos