Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PAI

Era março, era Peixes, era Netuno, era Zeus,
era escrita a escrever em versos a vida, era eu...
Eras um viajante em terra estranha à procura de um rosto,
eras arado, enxada, café, panos quentes, navalha, agosto...
Era um menino, dentuço, moreno, sensível, bonito, real,
a esculpir nas cavernas do agora hieróglifos, sensorial...
Eras o vento da Calábria vindo, mouro, felino, alado,
olhos grandes, romano, temente, enigmático Oswaldo...
Era o olho que vê pela fresta o que sim e o não presta,
rascunhando sonhos, lobos tecendo na imensa floresta...
Eras a pátria sangrenta, a igreja, o mistério,
a buscar alimentos para os mais famintos
em portas de cemitérios...
Era a incessante flecha a cruzar oceanos e mares,
a trazer para a terra o instante de estar, o estares...
Eras o Ajoelhado a saber e dizer da virtude e pecado,
a rezar pelos mortos ainda vivos num átimo de serem por Deus perdoados,salvados...
Era a esfera em Saturno a traçar mapa-mentes, mil trilhas,
consciente em sentidos, colher e viver outras tantas mil vidas...
Eras jorro, sementes, prolífico sêmen, nauta da carne,
espargindo, dolente, vidas-tronco, ser, ente, eras ave...
Era a guerra entre mundos, o céu e a terra, deles oriundo,
recolhendo miçangas, diamantes, fel, sendo o Eu Profundo...
Eras um Deus incógnito, salvando, sendo, geleiras da alma,
negando a imagem, levando em viagem a fúria e a calma...
Era o espaço aberto, o Deus incorreto, as cores e os sons,
espargindo teares, criando altares para a carne e os dons...
Eras totem ausente, imagem pungente, vã, esmaecida,
labirinto, charada, a saber tudo e nada, Babel esquecida...
Era o talo, era o caule, era a árvore viva, era o fruto,
a espalhar, a fundar, a crescer, a entornar o seu sumo...
Eras o último enigma, rei em xeque fatal, bispo e peão,
em vertical pose, a flutuar sua face, relógio-coração...
Era o nômade célere, retornando, breve, a pedra que cai,
pela última fala, guerreiros na sala em nome do Pai...
Eras o pórtico, poço, tão velho, tão moço, calado, a ida,
que levou, foi levado, chegou ao sagrado, instante, partida.
Era do novêlo a ponta, da corda a cerda, do fio o pavio,
nas noites, relâmpagos, abraça-me, pai, sinto ainda o frio.

Preto Moreno
23/02/2006


















 

Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 23/02/2006
Código do texto: T115431

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6968 textos (103730 leituras)
1 áudios (5 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/02/17 13:59)