Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Afetada


 
Nos dias em que a alma está descuidada,
as palavras saem desgovernadas,
parecem querer furar olhos da razão;
têm um jeito arrogante e fala afetada
debruçam-se nas horas, dão gargalhadas
ou fiam rosários de lamentação.
Nesses dias de descarado desleixo
picoto prosas, me rasgo em poesias,
tenho enxaquecas de saudades
passo horas apoiada sobre meu queixo
enjoada pelas minhas maresias
e o corpo martelando tantas vontades.
 
Nesses dias de alma trincada
não pela fome, como se come!
Balas, bombons, chocolates,
nada preenche a alma varada
desse vazio que consome, e não some,
falta coragem e sobram ataques;
de choro, de agonia, de carência,
as mãos transpiram, o corpo se revira
entre soluços e voz arquejada.
Um delírio, uma febre doida
e as letras fervem, borbulham;
instinto puro de sobrevivência,
salve-se quem se vira
já que a vida é um quase nada
que explode em cada dia, afoita
por sua mera complacência.
Angélica Teresa Almstadter
Enviado por Angélica Teresa Almstadter em 26/02/2006
Código do texto: T116542

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angélica Teresa Almstadter
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1054 textos (55634 leituras)
25 áudios (3274 audições)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:12)
Angélica Teresa Almstadter