Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


O TREM DA VIDA

Tu me levaste para o lugar certo? Andei tanto e não cheguei a nenhum que dissesse este é o MEU LUGAR. Meu bilhete era sempre de ida...Conheci muitas paragens, mas a estação onde embarcara estava sempre em mim. Corri tanto para não sair do meu chão...

Teu apito me era tão familiar até que te conheci por dentro e por inteiro...No início, movido pela curiosidade, fiquei deslumbrado... De repente subir e descer tornou-se rotina...

Experimentei outros trens e o processo era o mesmo... Cresci; tornei-me homem; me prostituí...De degrau em degrau cheguei ao último: o degradante. A vida ávida avivava a avidez da forma dissoluta, entre a ingênua menina de família, e a professora que mais me atraía: a puta.

Meus sortilégios visavam sempre ao sacrilégio...Se o início foi com a rapariga, saí de onde havia tanta intriga e caí no mundo onde havia muita amiga sem nome, mas que saciava minha "fome"...

Era super-homem; imortal; detentor da juventude eterna...Ninguém me avisou que o que tinha tanto apego pode ficar como morcego: de cabeça para baixo e só então vem o sossego...

Fui zangão de muitas colméias; vivi muitas epopéias e, hoje, não tenho platéia, mas lembranças da edéia...

Quero meu bilhete de volta. Sei o caminho e não preciso de escolta... Mas, confesso: alimento revolta...

Logo agora com um ror de mudança, que é o maior barato, retornar ao mato deve ser muito chato porque lá ainda mora o recato e, assim, não vou alcançar meu desiderato...

nvelasco
Enviado por nvelasco em 01/03/2006
Código do texto: T117374
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
nvelasco
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
83 textos (2620 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:00)
nvelasco