Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quando e Como

Agulhas me acariciam
N’areia daquele mar sem fim...

Eu escrevi uma carta sem resposta
Para que nunca mais me achassem à sua porta,
E vieram-me perguntas que
Levaram-me a outras tantas que
Deixaram-me tonto
E todas quantas eu mesmo me fizesse
Mais queria delas,
Como flores quando são bem-vindas,
Como estrelas quando estão acesas,
Como conchas quando são trazidas
Quando a maré chega mais cedo.

Mas, a tua carta eu rasguei –
Pedaços dela estão espalhados pelo mar sem fim...
D’areia nunca mais me levantei,
E ainda sinto as espetadas,
Vez ou outra,
E nunca reclamo delas,
Como as cores quando estão bem mistas,
Como lágrima quando jaz caída,
Como manchas quase esquecidas,
Quando e como não sei mais dizer...

01 de março de 2006
Teco Sodré
Enviado por Teco Sodré em 02/03/2006
Código do texto: T117654

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Teco Sodré
Salvador - Bahia - Brasil, 38 anos
274 textos (12536 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:03)
Teco Sodré