Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As Aventuras de Batman no Castelo de Axel

As Aventuras de Batman no Castelo de Axel
Por: Jayro Luna


São Paulo
Epsilon Volantis 2003.
(1.ª edição – do autor: 1984)

Da Metalinguagem ao Metamoderno
Este é o século dos manifestos na Arte e na Literatura.
Mil teorias, muistos “ismos”; lembro-me de uma canção de John Lennon: “Give Peace a Change” (Bagism, that’ism, etc...). Também este é o tempo em que o novo se instaurou como tradição e daí porque todo novo já é em si mesmo velho e de uma velhice inodora, longe de ser a velhice dos bons vinhos. Muitos manifestos marcaram e não compreendemos hoje a literatura sem eles: Moderno, Dadaísta, Surrealismo, Futurismo... Teorias se fizeram necessárias para a metalinguagem e a verificação de estratégias: Concretismo, Práxis, Processo.
Mas hodiernamente bem notaram Habermas e Alvin Toffler, estamos num “crossroads” ou numa encruzilhada de sexta-feira, confirma-se, por enquanto, a teoria de Vico, a linguagem edênica de Joyce: o ciclo se repete, essa é a época em que a serpente morde a própria cauda.
Portanto, é preciso repensar o papel do poeta (mesmo que seja esse papel uma folha em branco), logo estaremos colonizando outros mundos, tornando a ficção científica obsoleta e cotidiana.
O poeta tem que ter os olhos livres para tudo e ser não apenas um eclético ou um quase-profeta (antenas da raça), o poeta precisa ser sinestésico. Já Drummond alertava sobre o Presente. A matéria inalcançável segundo a física moderna, pois tudo é passado. Por isso eis o Metamoderno: A multiplicidade pós-moderna deixa de ser um enigma para ser estratégia. Mas sem charlatanices e videntes: O rigor não é só científico, antes é divino e mitológico: Homero e Hermes Trismegistos, bem como Jesus já o sabiam.
Chacrinha e Raul Seixas merecem menções nessa perspectiva. O primeiro pela alegoria, pela carnavalização, pela síntese suprema do Tropicalismo e do Tropical. O segundo pelas metamorfoses, mais do que ovídicas, são videotípicas, também pela síntese da história em cortes sincrônicos: Salomão, Nostradamus, Jesus, Marx, Al Capone e Hendrix se contemporizam. Traduzir é trovar e criar é algo que não podemos fazer ainda, até agora só recriamos no Universo. O Hubble, p. ex., é um monóculo sobre um velho pergaminho. Einstein e Eisenstein sabiam que o poeta deve ser um grande jogador de dados, por isso o grande cientista também era músico, e o outro foi fazer arte no cinema.
MCMLXXXIX, Terra.

“B”

Tudo corre veloz e loucamente
Na cidade grande de Gotham City,
Automóveis businam ferozmente,
A poluição ofende a voz: laringite.

O sargento O’hara observa friamente
As pessoas anônimas no limite;
Risca o céu um avião, já prédios à frente
Ocultam-no. Nos muros mil grafites.

Um pacato cidadão em belo terno
Passeia a pé pelo amplo calçadão,
Folheia o jornal: hábito urbano eterno.

É Bruce Wayne lendo de arte a seção:
“Um evento milionário: Modernos
e Clássicos em grande exposição!”


“A”

Naquele instante na galeria de arte
Figuras espectrais estranhas riam,
Escondidas no sótão, sob deus marte.
À noite após o fim do expediente, saíam,

Gargalhavam, ecos por toda parte.
Uma luz dianesca entre vitrais que iam
Colorindo o ambiente, vinha destarte
Mostrar a silhueta, e assim surgiam:

?Quem é que se oculta atrás das palavras?
O C?arada! – Quem do frio tira a lavra
De um sujo ofício? – Pingüim! Quem do amor

Faz crime? – Mulher-gato! E por fim ainda
Rei Tuth e o gran vilão, o real Coringa!


“T”

(O Rei Tuth e seus Tutti-frutis roubando peças sobre Amenófis e Tuthankamon):

A
IRA
DO REI
TUTH, QUE
O FAZ URDIR
A VINGANÇA DO
FARAÓ COM A TOGA

(A Mulher Gato e seus gatunos roubando a tela “A Leiteira” de Vermeer Van Delft):

A
IRA
VIRIL
ARRANHA
A TELA AZUL-
ADA: AQUARELA.
MANHA VÃ DA GATA


“M”

(O Pingüim à procura de “Vapor Numa Tempestade de Neve” de Turner, O Charada amontoando telas de Dürer e de Velásquez. Ao lado o Coringa olhando os “Girassóis” tendo à mão um quadro de Mondrian):

A
RIR
O FRIO
PINGÜIM
A ROUBAR AS
BARROCAS TEL-
AS O REI CHARADA,
MAS CONTEMPL-
A VAN GOGH O
CORINGA:
-VEM RI-
VAL
!
HÁ-HÁ! HÁ-HÁ! HÁ-HÁ!

“A”

Súbito soa o alarme na polícia
O Comissário usa o telefone
Especial para dar a notícia
Ao herói que um saxofone
Tocava. Rápido...desce...um   fosso
Junto com Robbin. Eis Adam West
Já de inconfundíveis trajes,
Liga um motor que reage
E qual o vento-leste
Corre aquel’colosso
Chega o bat-carro à teia da malícia
Donde chumbo grosso
Dos mais vis cafajestes,
Sabia-o desde a garage,
Já à parede sem alvoroço
Sobe Batman. Até aí é um teste
Fácil, mas mal na sala faz um esboço
Duma ação, a estultícia
    Ataca, pois com silicone
Fez o Coringa uma imundícia
A super-cola que herói aprisione!


“N”

Inquire Robbin a Batman: -“Com mil
Demônios, Batman! Santa Goma-arábica!
Como vamos sair dessa?” Mas sutil
Responde o herói num ritmo silábico:

-“Há em meu bat-cinto, Robbin, um ardil,
Um antídoto pra cola farádica!”
E a dupla dinâmica e varonil
Solta das garras do mal e tão sádicas:

Ta-ran-rã ta-ran tã-tã! Pim-pow! Batman!
Ta-ran-rã ta-ran tã-tã! Zing-roll! Batman!
Ta-ran-rã ta-ran tã-tã! Batman! Batman! Batman!

Na luta infernal, socos velocípedes
Desmoronam os vilões, pés ignípedes
Põem os vilões a fugir celerípedes...


“Gotham City” (Segunda versão)


Mas é preciso ser Batman em Gotham City,
Sempre ler manuais de prestidigitação,
Morcego que não é vampiro, poeta beat,
Pedras rolando a ladeira da viração!

Mas é preciso ser Batman em Gotham City,
Correndo pelas avenidas ao bat-carro,
Consultar o bat-computador ao limite,
Obedecer às leis e evitar tirar sarro!

Pra ser Batman, preciso é novo paradigma,
Ser ávido leitor de mil humanidades,
Conhecer o valor somatório de sigma!

Pra ser Batman, preciso é mil habilidades,
Ensinar a um Robbin os vários enigmas
E ao som do rock vagar à noite na cidade!

Jayro Luna
Enviado por Jayro Luna em 03/03/2006
Reeditado em 25/11/2016
Código do texto: T118228
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jayro Luna
São Paulo - São Paulo - Brasil, 56 anos
97 textos (48069 leituras)
12 e-livros (1726 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 10:34)
Jayro Luna