Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Li nos murais

às vezes a ferida sangra,
jorra pelas veias podres
um sangue sem vida,
uma vida sem amores

às vezes digo o que não sei,
o que não deveria ter dito,
mas quando vejo já disse tudo,
não conheço a lei do silêncio

às vezes morro lentamente
como uma pedra velha de rio,
ou como um idoso dentro de uma bolha
que não explode, que não fura

às vezes é preciso ser árduo
como a flor que se fecha,
às vezes é preciso ser um beija-flor,
bater asas mil vezes, pra não morrer de amor
Pedro Cardoso DF
Enviado por Pedro Cardoso DF em 17/03/2006
Código do texto: T124334
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Cardoso DF
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 68 anos
4319 textos (94826 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 18:02)
Pedro Cardoso DF