Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DE ONDE BROTA A POESIA

(A poesia, a verdadeira poesia, não é um amontoado de rimas e métricas. A poesia, a verdadeira poesia, é para o poeta como um filho é para sua mãe; Quem o vê brincando e sorrindo não pode imaginar a dor que ele exigiu de sua mãe para poder nascer. A poesia, assim como o poeta, muitas vezes também é filha da dor.)

A poesia, o poeta,
Frutos da sombra mais que da luz
Águas sombrias de corredores profundos dos mares
Manufaturadores de dejetos de máscaras
Dos seres que se escondem da luz

A poesia, filha do poeta
Urtiga que queima a alma
E cura o coração

Quando o poeta saiu do jardim de rosas perfumadas
Quando deixou de cultivar as pétalas do amor
E saciou-se de comprar no mercado das futilidades humanas
Então ele viu de perto
E bebeu de um só gole
As abundantes águas da angústia
E os mares salgados da inveja, em turbilhões.

Os mares da falsidade
A hostilidade das máscaras de seres fantasiados
Foram como monstros
Saídos todos de suas cavernas milenares
A perseguir crianças indefesas

Correu de mão em mão
E como mercadoria barata,
De pouquíssimo valor,
Foi desvalorizado mais que moedas de barro

A poesia exala o perfume
De profunda e densa escuridão
Filha do poeta,
Filha da noite,
Filha do ventre inchado
E do parto sem anestesia

Trabalho de parto tão lento,
Dor incessante que mata.

Cádiz, Espanha - 15.03.00
djalma marques
Enviado por djalma marques em 18/03/2006
Reeditado em 30/09/2012
Código do texto: T124782
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
djalma marques
Recife - Pernambuco - Brasil
67 textos (7455 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:35)
djalma marques