Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Torturador

Torturador

Cuidem-se cães, os vermes espreitam
em cada esquina noturna.
Há sangue em tuas mãos sempre direitas
sempre violentas e vãs.

Lambam os tacões dos ombros estrelados
decisores, inquisidores do destino humano.
Podres carcaças povoarão teus sonos
sem sonhos, sem luz. Só pus.

Pense na família na primeira queimada
no cigarro acesso no peito do prisioneiro
pense em Deus
ao pendurar mais um no pau-de-arara.
Pense na filha ao violentar a inocente
Pense em tua alma ao arrancar mais um dente
e um grito de dor.
Torturador


Rio de Janeiro, 2 de abril de 1979

Aos 14 anos eu já era politizado e convivia com pessoas politizadas. Além da meu egoísmo adolescente vinha uma consciência do que o Brasil vivera e ainda vivia. Tive parentes próximos presos pelo regime militar, este poema foi um grito de revolta pelos muitos estudantes e trabalhadores desaparecidos por serem incômodos para a ditadura. Politicamente esses crimes não existem mais (?), mas a tortura ainda é prática comum em quartéis, delegacias e cárceres em todo país. Em nome da segurança perdida pela classe média e pelos mais abastados, muitos aplaudem e julgam por sí o que nem o judiciário julgou. Na dúvida, prefiro mil criminos ilesos do que um único inocente torturado. Tenho cicatrizes que me dão razão.
Mauro Gouvêa
Enviado por Mauro Gouvêa em 18/03/2006
Código do texto: T125042

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mauro Gouvêa - www.recantodasletras.uol.com.br/autores/maurogouvea). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Mauro Gouvêa
Alfenas - Minas Gerais - Brasil, 51 anos
432 textos (56473 leituras)
3 áudios (837 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:54)
Mauro Gouvêa