Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A DOR

Dor, mãe da sabedoria
Instrutora da paciência
Sofrimento é teu esposo
Ajudador em total obediência

Do teu ventre, ó mãe
Brota tão formosas sementes
Que a principio, como tu,
São como a morte
E ao final se mimetizam
Como frutos excelentes

Teu gerar primeiro mata
E teu esposo qual navalha corta forte
Rompe a casca e mostra a carne em sangue vivo
E no sangue derramado mostra a morte

Tuas palavras não há grafia que consiga
Por mais perfeita teu sentimento perceber
Quem te conhece mesmo que entenda o teu falar
Ainda assim não pode o mesmo descrever

Só com os teus frutos
Por longos anos incubados
O abrir da boca ou só os gestos
Expõe quem és
Ninguém consegue ter os teus filhos
Sem possuir-te
Os que te viram os possuem por ser fiéis

Ó incompreendida mãe de seres moribundos
Muitos são os remédios que te perseguem
Quando estás na superfície da carne
Alguns te matam
Mas se alcanças a alma
Não mais conseguem

Se te aprofundas ao mais íntimo do espírito
Tocar no homem em sua própria eternidade
E ali qual codorniz tu pairas e geras
Chegando ao berço de tua própria maternidade

Quando feriste o profundo do espírito
Sacaste forças de onde só havia fraqueza
Sabedoria e paciência
Assim brotaram
Que manifestam teu dulçor
Tua beleza

(Cádiz, Espanha 31.8.2000)


 
djalma marques
Enviado por djalma marques em 20/03/2006
Código do texto: T126065
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
djalma marques
Recife - Pernambuco - Brasil
67 textos (7455 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 08:33)
djalma marques