Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ÁRIA GAIA

Hoje dilatei a cabeça
Desconsiderei a mesa
E me sentei no chão

Que já estava lá
Onde devia estar
Ao alcance da mão

Feliz feito formiga
Que anda em fila e não briga
Me deitei no marrom

Levei um susto tão bruto
Por escutar o oculto
Da Terra, coração

Batia calmo e assustado
Por eu ter me chegado
Quase como intromissão

Num plano de aceitação pura
Relevou minha postura
Fez-me feto da emoção

Descansei cada neurônio
Feito réptil quelônio
Pus-me em calma absorção

Repassei pela memória
Desde feto até a história
Nessa humana condição

Um vivente de elementos
Deu-se-me todo por dentro
Periódica tensão

Envolvido e acordado
Encolhido e abraçado
Do Universo a solidão

Vi que nunca existira
Nessa teia que se inspira
Em clara interligação

Vozes de antigas eras
Pelos tímpanos vieram
e tocaram-me as mãos

E por elas fiz a lúdica
desrazão da minha música
tornar-se humana canção

Ao compor a ária-esfera
Que se chama Gaia-Terra
Do início à criação

E ali em berço morno
Completei o meu retorno
Ao principio da explosão.


Preto Moreno
21/03/2006

















Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 21/03/2006
Código do texto: T126308

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6771 textos (102487 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 18:47)