Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RAINHA DAS TREVAS: UMA APOLOGIA AOS BENS MATERIAIS

Dona da noite
Rainha do silencio noturno
Conquistadora de sedentos corações
Irmã oposta de doçura infinita
Mulher de poucos homens
Dos que se julgam felizes
Enquanto reinam

Eu também te apreciei em outros tempos
Quando meu coração olhava tua cara tão distante
Desejava-te qual pardal que nunca construiu um ninho
Qual andorinha que atravessa mares para perpetuar a espécie
Quais aves de rapina que não respeitam a vitimam
Assim foi o meu coração quando te desejou

Por momentos, breves momentos,
Eu te vi minha
E em minha ilusão demente forniquei com tua imagem
Fabricada entre sinapses desconectas
Deficientes de neurotransmissores

Rainha de poucos
Dona das madrugadas ruidosas
Em festas néscias
Quem te pode resistir?

Oh! Princesa da luz
Amante de muitos homens
Homens, mulheres e crianças
Refugiam-se em tuas asas

Tu preferes o negro
E ao homem branco tu expões
Como vítimas de vergonha

Foste minha desde a infância
Na meninice te percebi e
Odiei-te com todas as minhas forças

Pelo meu ódio eu te abandonei
Desprezei-te
E até compus canções cantando as tristezas de quem te ama

Princesa da luz
Irmã oposta do aguilhão da morte
Daquela que conquista os homens
E os escraviza em mãos de sádicos

Princesa da luz
Oposta à dona da noite
Muitos dos teus verão a aurora
E a opulência da noite
Será envergonhada

Quantos conseguem te amar?
Todos te desprezam e
Os que são teus
Querem soltar as rédeas
Para ir-se ao longe

Cavalgas pela manhã
Em busca de amantes
Mas ninguém te ama

Princesa da luz
Mulher de muitos
Homens, mulheres e crianças
São tuas presas
Dona da noite... escuta:
Se por acaso um dia eu te possuir
Jamais serei teu
Jamais te amarei
Tuas tranças finas e adornadas
São um laço que aprisiona corações embriagados

Se um dia te possuir
Serás minha escrava
Em correntes invisíveis
Serás amordaçada por mim
Com ferro quente te marcarei e direi:
Minha és, mas jamais serei teu

O teu amor alucina os homens
Teu ser nada é
Em ti mesmo não há forças
Mas por trás de tuas ocultas sombras
Escondes fortalezas mortais
O amar-te é a raiz de todos os males


djalma marques
Enviado por djalma marques em 22/03/2006
Código do texto: T126662
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
djalma marques
Recife - Pernambuco - Brasil
67 textos (7455 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:35)
djalma marques