Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Por quem os sinos dobram

    e
D      i
x     e
 
i
 
U...M
Esp        ço
aberto
pra você
entrar quando
sentir vontade
A vogal na porta
de entrada
"Sem recomeço"
É um bom começo
Combina a liberdade
em quem sabe fazer
em quem cria ativa vogal
Não conserta
Quem pensaria em livra
Ao invés do convencional
Livre...
Quem pensaria seia
Ao invés de seio?
Quem diz o dito
é o dito e ponto
apenas sem final
 
Em quem fica sinal
em quem não faz
de conta
prepara as contas
num colar...
de pescoço
de colar o rosto
de deitar o exposto
no colo e no colo
não há vôo solo
sonoro é o momento
cala e fica
sabe onde fica
onde dói o calo
onde pega pesado
onde amacia....
Onde começa
consoante
onde ecoa
dissonante
onde atordoa
sem semelhante
Na escuta que diz
que mostra
que apara
a voz que não se quer
ouvir...
Sabe onde começa
Sabe sentir...
Por onde deve ir
Por extenso entendimento
por autêntico
agir sobre as formas do não
sobre o que não se sabe
sobre o que não se aceita
sobre o que não se comete
a falta de ficar
com o menos
soma horrores
A
cres
centa
Cresce lento
no que se pede
de aumento....
De que tamanho
é o que se sente?
fica do tamanho
para ajustar
para estar
no mesmo
lugar....
Colocar os trilhos
em ordem
A desordem
é própria
quando
amplifica
quando
estreita
abraçamento
pra diminuir
distância
Quando
as instâncias
inconstâncias
não tem sentido
O que são mesmo
reentrâncias?
Como se tatua
coração?
onde o sangue
se situa?
Como se grava
os apelos
de uma sensação?
Vivê-las pode ser um sim?
Será que vou saber
quando cresci?
Nas noites em que não dormi
nos dias em que não vi
para quem não me abri
Para quem não sei se já nasci
 Mas que sabe de mim
que pacientemente
soletra
o que não percebi....
por que se maltratar assim....
Qual é a palavra que foge
que pode exprimir
quem dorme e amanhece em mim?
Será que a palavra escolhe?
será que se escolhe palavra?
Será que é a palavra que encolhe?
Será que ela lavra?
Cumplicidade se inventa?
Abraça e depois venta?
serena no sereno
sem resfriar
sem machucar
beija pra ficar
pra mostrar
que saudade
às vezes pode ser um bom lugar
sem inquilinar
sem castigar
sem pressionar?
Pressiona
apenas
no próprio pulsar
onde se sabe que aguenta
carregar....
Onde se sabe que vai preencher...
onde se sabe que de perto
vai acalmar....
deitar junto
dormir
e acordar...
Com
partilhar
o que não dá
pra deixar
pra lá.....
O que não se compreende
em nervura se arrepende
Fratura...
Se renova?
sem fazer de novo
Fazer
estender
Será que nas casas de esquina
dá para ver o varal?
Será que as casas onde dormimos
tem no endereço
todas as desinências do desejo?
Ou será que o desejo começa
pela falta de teto
Quando incide o sol
e brilha por dentro?
Como se começa uma história?
Do que ela se alimenta
Como ela evolui a tempo
pra dizer que quer permanecer
Apesar das agruras do momento?
Pede pra ficar
Deixa como está
Ou enfrenta os ventos contrários?
Será que existirá um tempo
Será que o tempo resistirá
Será que o tempo vai abrir
Será que o tempo vai fechar...
"O que será que será"
À flor da pele
a pele em essência
Que fica na pele
Sem tema
Na fonte floresce
Assim mesmo
Meu medo me impele
A querer permanecer
Pele a pele
onde já não sei onde sou eu
onde começa você....
Assim mesmo
quero ficar
Me misturar
e adormecer.....
 









Izabella Gamellas
Enviado por Izabella Gamellas em 24/04/2005
Código do texto: T12738
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Izabella Gamellas
São Luís - Maranhão - Brasil
107 textos (10696 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 11:18)
Izabella Gamellas