Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OUÇO UM NADA.

Ouço um nada tão quieto
Na nossa noite tão tua,
Um pingo d`água,
Uma lágrima
Que vasa d`alma sofrida.

Quisera ser duro e forte,
Não escrever, nem sentir,
Quisera eu poeta poder,
Dizer adeus sem ter que ir.

Ouço um nada tão quieto,
Na minha noite tão nossa,
Um soluçar metido em perdão,
Uma voz fraca dizer bem forte:
-Quisera ser forte e duro.
Para tão longe viver,
Poder dizer adeus à vida,
Se ao menos ter que morrer.

Ouço um nada tão quieto,
Na noite de ninguém,
Uma amarga voz tão doce
De um mal que se chama bem,
Ouço um nada tão cheio de dor,
Chamando-me de seu amor.

           (D’Eu)
Sidnei Levy
Enviado por Sidnei Levy em 24/04/2005
Código do texto: T12757
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sidnei Levy
Campinas - São Paulo - Brasil, 71 anos
298 textos (20819 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 15:04)
Sidnei Levy