Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Diversas poesias

As Rosas

Cheio de ternura
as rosas
diante da lua
brilham nuas
e eu no centro da rua
a admirar a lua
ponho-me dianet da roseira
apanho uma das Rosas
e lanço-a ao firmamento.


Agora

Agora
peço uma amora
e sem demora
vou tentando me encontrar
diante do teu mar.

Agora
Feito espora
vou tentando te esquecer
e mais uma vez viver...


Bolero

No bolero
Boêmio
Quero
Quero
A bela moça
No terraço
que o espaço
vou poetizando
o AMOR...


Poesia

Poesia
de volta be a porta
Bem me quer
ou
Mal me quer?

Que a barriga
ronca com o verso
que desloca
entre a alma
e a chama

A poesia
pousa e em seguida
Se vai...

Mas,
Se vai, vai-vai
que também me vou...


Caminho

Canto
minha lógica
mas é lógico
que não
posso sonhar logicamente.

Mas este papo
mal falado
Sei lá...

Deixa prá lá
esta estória
de lógica.


Bate-bate

Bate
Bate
Coração
Nesta
Emoção
Bate
Bate
na Canção
da melodia
de cada dia
cá dentro do meu coração
banhado pela ilusão
Bate
Bate
Malvado coração
nesta canção
a girar
na multidão
feito um peão
Bate
Bate
Coração.

Convite

Minha alma
com emoção e graça
flutua entre a praça
à procura de tua alma.

Relembrar teu rosto,
teu sorriso,
teu gosto,
teu riso,
tua alma
logo acende a velha chama
que agora te chama:
Venhas morrer comigo!


Dúvida

Sacramento
Neste momento
Sacramentado
Maltratado
de outro lado

No entanto
meu bem querer
bem me quer
ou
mal me quer?


A Porta

A porta
torta
à frente da horta
A vejo morta

A rosa
vermelha
cheia de amor
explendor
e dor.

Mas, o que me importa
Agora
e sem demora
se a vida Terminou?


Vagabundo

Quadrado
meio alado
e mais ou menos de lado
vivo meio calado
num mar de solidão
que busca o perdão

Mal amado
estou até mal falado
Porém,
ouço a canção do velho Chico:
"Vai trabalhar vagundo...
Vai trabalhar..."




Diante do sol
Só estou cá
Dentro de nós.

Matemática

Nas montanhas
entre aranhas
um mais um,
menos um,
na matemática
do amor,
São Dois.


Correnteza

Que boniteza
com certeza
a correnteza
com uma certa beleza
passa e leva a flor
que apanhei ao meu amor.



Roberto Cerqueira Dauto
Enviado por Roberto Cerqueira Dauto em 24/03/2006
Código do texto: T127666
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roberto Cerqueira Dauto
São Paulo - São Paulo - Brasil, 35 anos
19 textos (129719 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:23)
Roberto Cerqueira Dauto