Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O primeiro e último da minha espécie

A uma música dos U2

O PRIMEIRO E ÚLTIMO DA MINHA ESPÉCIE

Sinto com a intensidade de mil sois
Com o ardor dum planeta
Embora tema que seja esta força
A minha fraqueza
Seja ela que me comprometa
Sou

O primeiro e último da minha espécie

Gostava de acreditar em Deus
De depositar nele as minhas razões
Mas como pode Ele
Ouvir tudo e todos
E responder a todos nas mesmas proporções?

Amo da mesma forma
Como respiro
Compulsivamente
Pois só assim
Sei que estou vivo

Vi demasiadas coisas
Ou demasiado poucas a acontecer
Fazendo por isso da vida uma roleta
Onde pouco tenho a perder

Pois só temo a morte
Que me peça para a seu lado morar
Pois nela tudo o que estimo pode desaparecer
Receio que ela me toque
Antes de algo realmente importante ter lugar

Amei-te mil dias
Mil vezes
Sempre com a mesma intensidade
Tiveste demasiadas caras
Demasiadas almas
Mas de mim sempre recebeste a mesma interioridade

Que é o meu segredo
A minha alma absoluta
Poeta de verdade
Disfarçada em artifícios estilísticos
Pois fiz da verdade a minha suprema luta
Sendo por isso, ou talvez não…:

O primeiro e último da minha espécie

Poema protegido pelos Direitos do Autor
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 27/03/2006
Código do texto: T129146

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5077 textos (170321 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:30)
Miguel Patrício Gomes