Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SOU POESIA

Sou ser humano, vivente
Pois penso, falo, logo existo.
Sou a vida que pulsa e acelera
Corações desnutridos
Da seiva de um amor.
Sou raiva, sou ciúme,
O clamor de um furor.
Sou o tempo inexpugnável
Que corrói suas entranhas;
Sou a idade que se mostra
Sem se preocupar com seu peso,
Mas com emoções que lhe brotam
Melhorando o seu vigor.
Sou a paixão bem crescente,
Sou o amor envolvente,
Sou o tesão, desejo e prazer.
O risco de ganhar ou perder
Não importa,
Pois o importante é viver.
Sou a criança que chega
Trazendo alegria total;
Sou adolescente incoerente,
Rebelde, inconseqüente;
Sou anciã decadente,
Com um fio de vida, ainda latente,
Que me dá forças para gritar.
Pois sou um ser nu,
Sem fronteiras...
Chego e entro,
Em qualquer lugar.
Sou a leveza de um sonho
Perdido, solto no ar.
Sou a eterna busca constante
De um porto para encostar.
Sou lembrança, cadeira vazia
Saudade de uma presença
Ausente...,
Partida num certo dia.
Sou a explosão de sentidos
Liberação de emoção.
Sou bailarina no tempo...
Danço palavras ao vento,
Imagens de um sentimento,
Sensibilidade de um ser.
Sou filosofia, sou palavrão
Sou ironia, devassidão.
Sou revolta...
Rebelião de sentidos,
Alienação, confusão.
Sou melodia, sou paz,
Sou o despertar de uma voz.
Sou equilíbrio, a procura,
O pensamento, a razão.
A consciência que grita,
Por um espaço na mídia;
Mostrando sua presença
Em qualquer situação.
Sou a delinqüente que rouba
Corações despedaçados,
Abrindo suas celas fechadas
Tormentos de um passado;
Chegando bem fundo nas sombras
Levando luz, amor, calor.
Sou liberdade no pensar...
Levo minha fala aos lugares,
Surdos por conveniência,
E os obrigo a me escutar.
Sou o olhar perdido no horizonte
Em busca de um ponto distante
Da unificação dos povos.
Do sorriso resplandecente,
Pela dor da perda superada.
Do fim da miséria, da fome,
Da violência indiscriminada,
Do grito abafado da guerra,
Das vidas encarceradas.
Sou uma semente de amor
Lançada ao mundo em gotas
Na busca de um futuro melhor.
Da fé esquecida, a devoção
Do postar as mãos em oração.
No desejo de ver sempre crescer
A união, a felicidade, o amor,
A humildade e a gratidão.
Como uma peninha no vento
Levada sem direção
Vou espalhando gotas de luz
Como um anjo guardião.
São dias e noites a fio
Tendo o sol e a lua de cúmplices
Junto ao brilho da natureza
Nos animais e nas flores.
Semeadura de paz.
Nos ditames de um grande amor
Estou de mãos dadas com Deus
Sou a voz em coro dos homens
Em busca de solução.
Sou um grito de esperança
E o encontro do perdão.

Neli Neto
14.03.2000

 
 
 

   
 

 
 
 

Neli Neto
Enviado por Neli Neto em 29/03/2006
Reeditado em 08/04/2006
Código do texto: T130270

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Neli Neto
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 64 anos
98 textos (45250 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 09:55)
Neli Neto