Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Suaves Delírios

Sopro-lhe ao rosto pó de ouro fino
Dourando-lhe os cílios
Em suaves delírios
Tornado-lhe brilhante o rosto
Ausente de qualquer maldade
De qualquer pensar

Desenhos que no ar não se desfazem
Que a água não faz perderem-se
E que meus dedos não marcam.
Brilho intenso contraste em teus olhos.
E o dia vai alto em outro lugar.

Ainda faço-lhe beijar as flores
Percorridas em meu corpo,
Enfeitando-lhe em pleno dia
Buquet humano de minhas horas
Perfumes de minha vida.

Ah, que se o dia vai alto em outro lugar
Que vá, não será em vão,
Esse pó que lhe doura a face
É meu sim, meu não...
É meu beijo acendendo
Uma expressão sua.

Sopro-lhe nas palmas de suas mãos abertas
Uma palavra doce
E as repouso em peito meu
Para que sinta em ressonância múltipla
Meus batimentos e a palavra soprada e guardada
No alto corpo que vive, por acaso, ainda.


Misérias humanas não quedarão
Em teu rosto espargido de ouro
E aonde sua mão repousa em meu peito
Não fenecerá nem mesmo à sombra de um instante
Meu coração ondulante.

E mesmo que o tempo me vença
Sobrará ainda como restos por sobre alguma cama
O meu silencioso esqueleto
E suas mãos sopradas de palavra doce
Repousadas por sobre meu peito.
Anaís
Enviado por Anaís em 30/03/2006
Código do texto: T130993
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anaís
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil, 43 anos
55 textos (1647 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:42)
Anaís