Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conjectura

Seu último beijo queimou minha boca,
Marcando-me os lábios, deixando-me em desatino...
Revelando-me sua natureza, ao tirar a roupa,
É como se estivesse presa ao meu destino...
~
Então esqueço da vida, esqueço do tempo!
E passo a respirar somente seu perfume...
A vida até parece passar num só momento,
Expondo-nos a verdade de tudo que nos une...
~
Mas eu lhe falo com minha malícia desencarnada!
Sei bem o que procuro, são tantos os desejos...
À noite nos revela muitos passos na jornada,
Iniciadas por um único toque de beijo...
~
No escuro, sei bem o que minhas mãos procuram,
E dedilham-te, com um piano em sonata...
Os sons que saem de sua boca, se perduram,
Até que num êxtase, tu toques a poesia da madrugada...
~
Como se desencarnasse um amor profundo,
De uma dor ao qual nada ensalma...
Fazendo de nosso quarto, um pequeno mundo,
Governado pelos confins de nossas almas...
~
Pois a alma governa e sente, todo e qualquer sentido,
Reprimido ou não, pela pele se revela...
Então o toque fala, até com gemidos,
O que escondemos ao apagar das velas...
~
Como se ocultássemos nosso mar de prazer,
Onde navegamos em ondas de suor...
Em corpos que se esfregam... O que dizer?
Então calarei, se assim achar melhor...
~
Assim não te direi nada, mas compartilharei,
De nosso revés, quanto tudo silenciar...
E quando amanhecer, de você não mais serei,
Pois acordado, com você não posso sonhar...
Marco Ramos
Enviado por Marco Ramos em 31/03/2006
Código do texto: T131441
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Ramos
Salvador - Bahia - Brasil, 47 anos
242 textos (16664 leituras)
5 áudios (355 audições)
3 e-livros (406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 08:14)
Marco Ramos