Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REENCONTRO


I

E já me acerco das antigas Minas Gerais...
E qual andante desterrado que retorna
ao lar amado indevassável entre cristais,
meu peito exulta e de saudades se transtorna...

II

Qual viandante pelo tempo caminhando,
pelas estradas da lembrança percorrendo,
fui de repente noutra era me adentrando,
e a realidade foi então se esvanecendo!



III

E fui levado de roldão, em frenesi,
qual meteoro no espaço deslocado,
e qual demente que confuso chora e ri,
vi o passado no presente intercalado!

IV

Potente força me envolveu o pensamento,
me arremessando de repente noutra esfera,
e tive, então, o singular pressentimento,
de que voltava novamente a outra era!

V

Mas que estranha força me arrasta,

que imperiosa do mundo me afasta
em singular preocupação?
que haverá nesta igreja impressa,
que deixa em minh!alma opressa,
esta louca sensação?

VI

Não foi bem neste ambiente,
que contrito, em prece ardente,
um dia implorei perdão?
Não sinto acaso no peito
lembrança de um sonho desfeito,
que fustiga o coração?

VII

E toda esta obra doirada,
na fria madeira entalhada,
não brilhou em minha mão?
Terei porventura sonhado?
Ou quem sabe trago arraigado,
no meu peito esta impressão?

VIII

Mas quem vejo nas imagens,
que flutuam qual miragens
povoando o pensamento?
Que poder maior me obriga,
a lembrar de tanta intriga
que me causa sofrimento?



IX

E estes túmulos! De quem serão?
Quais segredos abrigam na solidão
deste silêncio profundo e mágico?
Onde estás que não respondes?
Me diz, por Deus, a verdade que escondes,
neste ambiente tétrico e nostálgico...

X

Oh! Por quem és,
arranca de vez este revés
que sofro em turbilhão!
descerra o véu que tolda minha mente,
deixai-me sentir toda a dor que de repente,
vem sangrar meu coração!



XI

E que autos serão estes? Por Deus!
Acaso não os tenho por meus?
Sim.. Eu bem os conheço...
E esta singular emoção?
Nada mais que chagas no coração...
Eu as conheço! Porque as conheço?

XII

Mas quem fui afinal? Quem sou na verdade?
Que segredo encerra esta saudade,.
que dentro da alma eu travo?
Terei sido um potentado?
Um nobre senhor respeitado?
Ou, quem sabe, um vil escravo!

XIII

Já terei, porventura, vivido,
num tempo atrás, esquecido,
e que teima em regressar?
Não teria nesta terra,
onde a saudade me aterra,
já posto meu pranto a rolar?


XIV

Mas que tétrica visão!
Que fantásticas figuras! Quem serão?
Oh! Deus! Serão fantasmas?
Sim! São os espectros da dor,
que da morte trazendo o palor,
exalam fétidos miasmas!

XV

Mas há outros! Que oram! Sorriem! Quem serão?
A quem resguardam em prece de mansidão,
e que toca minha!alma opressa?
Quem dorme o sono dos justos,
guardado em troncos vetustos,
por quatro Leões de Essa?



XVI

Porventura não os conheço bem?
Ah! Por quem sois, detém
esta força incomensurável
que me obriga a relembrar
as coisas que quero apagar
desta terra memorável!

XVII

Ah! Terra amada! Amada terra!
Eu não desvendo o segredo que encerra
tanta dor, tanta saudade!
Ah! Virgem Santa! Virgem Santa do Pilar,
Eis-me aqui, tal como outrora, novamente a te implorar:
-Perdão Senhora, ao mais vil da Irmandade!



PROTEGIDO PELA LEI DOS DIREITOS AUTORAIS. CITAR A FONTE AO REPRODUZIR.








 
Nelson de Medeiros
Enviado por Nelson de Medeiros em 26/04/2005
Reeditado em 23/07/2014
Código do texto: T13188
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson de Medeiros
Cachoeiro de Itapemirim - Espírito Santo - Brasil
493 textos (66370 leituras)
11 áudios (2996 audições)
1 e-livros (184 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:14)
Nelson de Medeiros

Site do Escritor