Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O ALFARRÁBIO DO HOMO SAPIENS

Muito tempo se passou,
ao dicionário não pude mais recorrer
para reencontrar o sinônimo de mulher amada!
Insubstituível é a sensação de tê-la sempre ao meu lado,
por mais que a razão da lógica desqualifique esse composto verbete.
   
Se ontem, no afã da boca molhada
do calar em nós mesmos,
descobri que pudemos nos molhar no fogo
e encontrarmos o sabor dos dedos na língua
naquela mesma página “a” de amante,
mesmo sem texto
engula meus lábios
e disfarce minha mão,
deixa eu tocar metade
do teu corpo falado
de boca cheia, inteira razão.

Se ontem, no afã da vista desatenta
aos óculos de graus,
descobri que não censuramos nenhum livro
nem o sangue seco estendido pelas lágrimas
das lentes no varal para enxugarmos
o frio do escuro
na fresta dos olhos,
o abajur semi-apagado
brinca com a meia-luz
ilumina só meio peito
dos seios sem braços em cruz.

Muito tempo se passou
para ter coragem de descobrir a palavra
que dói na boca do estômago em fome de letras,
que mata o coração quando o “a” não é mais amante!
Em meio ao livro, aquela fóssil folha primata e sem cheiro
não dá a idiota impressão de ter amado apenas as palavras.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 27/04/2005
Código do texto: T13241
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19516 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:48)
Djalma Filho