Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FOGO NOS TRAPOS DO ESPELHO

Um belo dia,
ninguém se lembra bem quando,
acastelou-se a dama de copas,
mulher de nudez escondida,
sempre vestida nas cartas.

Intocada, descuriosa até pela puberdade,
arreava a calcinha em coxa-e-meia
e, com os olhos sempre fechados,
no despudor natural do sangue
guardava a menstruação.

Júlia, de passado que ninguém mais lembra,
passeou comigo em riscos de bicicleta
desafiando os trilhos dos bondes
derrapou na roda da infância.

Júlia, em pânico, na ilusão do sonho absurdo,
dançou comigo e com os hi-fis antigos
desafiando o mocinho do cinema,
censurou as cenas de cama.
 
..................................................

Nem pai, nem mãe, nem namorados ou irmãos
conseguiram ver um pedaço em segredo
do corpo que passou a se esconder
por tanto pudor ao engordar.

Desesperada,
poucos se lembram o quando,
Júlia, depois da festa de formatura,
abandonou namorados, pais e irmãos
largou casa e sozinha foi morar vestida.

Não fez questão de janelas para o mundo.
No Natal, quebrava as nozes com os dentes,
no Carnaval, se empolgava com a solidão da TV,
no São João, bebia a ressaca e dormia sem sono.

Sempre com pouco sabonete
se banhava olhando os pingos do chuveiro,
enquanto ouvia o vinis celestiais
da infância guardada pela ausência
do rosnar em arrepio no braço na vitrola
que arranhou os discos em tão pouco tempo.
Ouvia, dormia e tossia qual cigarra de peito negro
pela fumaça do cigarro comprometendo um coração.

...................................................

Um belo dia,
e todos souberam bem que dia foi este,
Júlia abriu um velho álbum de fotos riscadas.
Chorou até perder-se na dimensão das lágrimas.
Resolveu brindar toda a reclusão da adolescência.

Despiu-se no banheiro
sem olhar os pingos do chuveiro
e andou nua por todas as ruas da casa.
Abriu no guarda-roupa
e, ao primeiro nu frontal do espelho,
jogou querosene na chama da imagem.

Em pleno mês de Agosto,
Júlia suicidou sua ausência.
Ninguém mais dela lembrará!
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 27/04/2005
Código do texto: T13244
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19519 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 09:17)
Djalma Filho