Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
ODE AO RIO MIRA



Vem de longe, arrastando os pés molhados
por baixo da planície.
Carrega o suor filtrado
por tanto chão pisado.
Tantos ais, tanta raiva, tanto amor
semeados
para tão pouco pão nas mãos mirradas!

Escala as entranhas da colina
na ânsia de ver o mar.
Será que o mar existe?
Nem o horizonte o suspeita ou não revela.
Duas lágrimas rompem o rosto da terra
e um pássaro de vento as empurra na vertente
numa enxurrada de dor.

Olhos levantam-se do chão
cansados de não ver.
Plangem os choupos, murmuram os canaviais
e os bois vêm beber
o rio ainda mal nascido
mas que já corre
com destino de mar.

Os homens semeiam-lhe nas margens
desejos verdes. E as mulheres
vêm branquear os seus desvelos
nas águas ridentes.
Peixes, barcos e remos,lágrimas e terra,
excrementos e esperança
marcam o ritmo da corrente.

O rio já transporta segredos
arrancados às pedras
e a terra abre sorrisos de flores
para o rio passar.
Mira, rio tranquilo, passa devagar,
deixa por onde passas
uma funda carícia de frescura.

Mil fontes descem, a correr, a serra
para juntar-se ao rio num grande abraço de água.
E o rio acolhe nos seus braços
os pescadores temerosos da tempestade.
Já lhe passou a pressa de ser mar.
Agora sente-se rio, porto de abrigo, segurança
dos indefesos.

Agora sente-se parte da terra,
são suas as margens,
os plátanos, os mouchões,
os campos de regadio, as sementeiras
e os figueirais.
Estão ao seu cuidado a sede
e a fome dos homens.

O rio Mira, senhor da planície
e das escarpas,
majestoso e largo,
chega por fim às portas do oceano.
Sem temer o seu destino de rio,
enfrenta as vagas eternamente em fúria
e diz-lhes simplesmente, tranquilamente: Aqui estou.










CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 02/04/2006
Código do texto: T132734
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21284 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:09)
CARLOS DOMINGOS