Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A CARÍCIA ESSENCIAL

Sai-me das mãos,
ainda que não a perceba,
uma carícia meio guardada, meio perdida,
que voa, flutua sem rumo, e enseja
o amor não feito, a afeição contida.
Sai-me das mãos
como quem sai à francesa,
sem aviso prévio, sem despedida.
Sem rumo, mas em direção à luz acesa
que emana de outra parte, talvez esquecida.
Esta carícia que foge-me das mãos
flutua como ave em fuga do gelo do inverno
e em parte, parte de mim, sem permissão,
como o anjo caído em fuga do inferno.
Sai-me das mãos,
sem que eu em mim a soubesse,
sem que dela eu tivesse ciência,
e agora que dela sei, sai. Desaparece.
Sai em busca de fazer-se,
de dar-se à existência.
Não tento retê-la.
Que se vá em direção à vida.
Prendê-la à minhas mãos é negar-lhe
o direito divino de dar seu toque de Midas,
de dourar, de dar luz.
Basta apenas que cale
minhas palavras e abra as mãos em flor,
Agora basta apenas que lhe cale
na linguagem simples do amor.
Basta apenas que permita,
que siga esvaindo-se-me das mãos,
como uma benção bendita,
que se esparge sobre o chão,
que espalha a fertilidade,
em forma de prosa e verso:
a carícia que me sai
quer acalentar o Universo.
Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 27/04/2005
Código do texto: T13339

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Débora Denadai
Caracas - Distrito Federal - Venezuela, 54 anos
722 textos (154022 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 19:59)
Débora Denadai