Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vidraça

Seu fraco reflexo espatifou a vidraça dos meus olhos
Os cacos remendados fingiram fugir desesperados
A falsidade é tamanha
Que eu até perdou a tua discrepância
Por quê é inocente o teu remorso
É comovente a riqueza da mágoa
Como é água o que eu choro
Como é frouxo o meu ódio
A lembrança que realmente foi só uma lembrança
Ficou no pântano salgado do teu retalhado amor
Minha força petrificou a carapaça da saudade
Como é dura
Como é burra a tua indiferença
Exalava assim o cheiro das rosas nas vísceras da solidão

Luyzla Garrido
Enviado por Luyzla Garrido em 04/04/2006
Reeditado em 04/04/2006
Código do texto: T133648
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luyzla Garrido
São Luís - Maranhão - Brasil, 30 anos
25 textos (1223 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:56)
Luyzla Garrido