Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

1914

Entre tantos escuros, medra
escuso.
Sei - depois de 40 anos -
que ele se pôs atrás
de uma janela.

Simples,era 1914 - Tempo de nada.

A janela de boa cerne, bruta,
envernizado de escuro,
torta.

Dizem, ali meu
pai morou.

Dizem, havia uma cortina esfarelada,
em azul e rosa.
-Pena! Que não seja azul-puro ! falam tal testemunhas.

Aos quinze anos o azul
era minha cor.
Abóboda dos senhores !

Garrafas se misturavam aos copos.
E como haviam!

E as estações se passavam,
como passa o vento sem
que a gente perceba.

No inverno, a janela gelava.
E meu pai, fito nela,
via tudo congelar.Pobre pai de um homem só.

Meu pai não era senhor de guerras,
nem patriarca da paz.
Dizem, meu pai era simples.
Ora!Com um copo na mão era muito simples.

Tal homem ria da estações.
Outono,vibrava com folhas espargidas
no portal,
Inverno, sobrevoava campos
-Até agora desconhecidos -
Mas dizem, cheio de luz.

No verão,suava feito garça e num
descuido e gargalelava
nosso bebida.
1914 - Dizem era tempo de guerra!

Meu pai era afoito e por isso homem.

No quarto só saia
para duas coisas,
em tempo de guerra:
para aflorar filhos nas bens-amadas
e ler jornais nas bancas dispostas.

Era guerreiro de panos -
Não entendia o mundo -
Se houvesse um para entender.
Esse não era o mundo que desejava.
Meu pai.

Jovem, discreto,
Via os jornais da Pathé,
com cachecol verde
e aplaudia aqueles homens
em guerra de um só homem.

As guerras haverás!
Mas para um homem só.

Da janela de seu quarto,
meu pai,
que somente conheci por uma
foto rala,
Resolveu,
Num outono de mil noventos e pouco
sair voando,
Como voam os pássaros em
hiibernação.

Antes, escreveu:
Manual de Minha Amada - Poucos se ligaram!
Corcéis da Madrugada - Uns amigos choraram de encanto.
Tal Idade, Tal Revoado - Jogada lixo.

Aos sessenta e poucos,
dono de várias mulheres sem dono
Era apenas calibrado por sombras.

Cascas secas de pinheiro
o adornavam
quando sobreava o mundo de 1914
com um copo de bebida e um
um sonho sem nome.

Fez filhos - era ordem
da guerra!
Matar!
Mas ele os fez viver!
Era ordem da guerra.Viver.

Casemira branca só no verão,
Filha de Zeus,
Proteus?
Só no verão
e gargalhava de goles!

Meu pai. Homem santo
criado no pecado,
mas sempre com um manta
longa e estreita,
agasalhando o pescoço.

E num verão de 1914
ele disse para a madrinha:
Pequena santa: é hora de ir.

E tais coisas,agora, já grande
não posso negar.

E ele disse,
como o pássaro que não nega o grão,
É hora de ir.

Meu pai, em 1914,
abriu a janela miúda e gelada
e disse para si:
Chegou a hora!

Num plumo de águia
voou do 10o. andar,
E junto com as folhas, desceu.

E disseram: há um homem voando!
Eu disse, torturoso:meu pai desce!

E ele dançou dentro da luz
e desceu
e quanto mais descia via luz,E desceu.

E tanto quis descer que encontrou
o chão orvalhado.

E o chão virou sangue e
eu virei órfão.

1914 - Dizem os livros,
Um desvairado sem corte,
deixou um órfão e mil mulheres.

E eu, escrivão dos deuses,
em 1998, vim saber
a história de um homem,
que pobre!Era meu pai.

Em 1914 um homem morreu.
Dizem as testemunhas que ele dançou ao vento!
Diz a história que um homem morreu.
Disse a polícia: "façam o registro!"

Mas duro da vida!
Tinha que ser meu pai?
Em 1914?
O ano que nasci, depois dos anos,
De um jasmim, que tal nome doce,
Maria!

Onde está seu pai? - perguntam agora,
os amigos.
E eu digo:
Feito águia enobreceu minha vida.

Desceu 200 metros procurando
a valsa que  tinha meu nome:
1914!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 16/04/2006
Código do texto: T140016
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26783 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:13)
José Kappel