Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FEBRE

Olhaste-me
sem acreditar no que vias.
Ardia! Não conseguia ver-te.
Sentia tua mão de mulher sobre meu corpo.

Chorei quase constrangido.
Não conseguia ver-te:
ardia!

Pasma,
olhaste-me incrédula
como se eu não ardesse:
mas ardia!

As tuas mãos de amantes tornaram-se amigas
do suor escorrido pelo meu corpo
enquanto ardia e não te vias.

Delirei-te sem sentido,
ainda cego,
enquanto ardia.

Queria mandar-te às compras, acho,
ao salão de beleza, ao cinema mais próximo,
à farmácia, ao supermercado
só para que assim não me visses.

As tuas mãos acarinhavam-me suaves,
quais mãos de mãe,
sobre meu corpo enquanto ardia.

Quiseste beijar-me,
insisti em não querer teu beijo,
em vão. O amor, quando amor, contamina.

E só saíste à rua,
depois que eu tomei uma suculenta sopa de carne
e, por teimosia, um copo de água bem gelado.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 17/04/2006
Código do texto: T140736
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19518 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:52)
Djalma Filho