Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VOZES


Do que fala a boca
Senão daquilo que o coração está cheio?

Aprendi contigo que a alma humana
É toda cheia de medos e sombras de horrores,
Terrores que são quimeras feitas de pensamentos
E não tem existência à luz do sol...

Aprendi contigo que o jugo do pensamento
Nada mais é que fumaça, mas que amordaça
Mais que grilhões de ferro pela preferência à ilusão,
Pelo amor à fantasia e à magia dos milagres...

Desde que a vida chamou-me para ver,
Senti a dor lancinante de um parto que rompeu a minha carne
E fiquei cego, sem os meus pés, sem qualquer chão,
Sem as minhas mãos, sem qualquer abraço...

Meus olhos abertos nada viam em qualquer direção,
Abertos ou fechados tudo viam igual, o mesmo nada...
O nada em mim mesmo, nem braços, nem mãos
E os meus olhos agora nem olhos, só a minha alma fluida
Dançando ao redor da minha miragem.

Assim ouvi pela primeira vez o meu melhor riso
E vi o nada tomar-me para eu ser nada
E ver o todo com os novos olhos.

É doloroso assim te ver,
A expressão mais pútrida da tua fantasia torpe
Aprisionando com grilhões de pensamentos
A imensa massa humana que pensa que vive
E nem vive e nem morre, mas atrela-se à escravidão
Daqueles que assim também viveram,
Maestro dos mortos,
Orquestrando os vivos...

Quanto lixo mental tu tens escrito em livros de leis
Que formam zumbis doutores na fantasia torpe,
Que conduz as massas dormentes,
Que nem vivem nem morrem,
A ocuparem-se de alimentar a tua quimera...

Maestro do horror,
Teu deleite está no poder
E o teu poder na carne pútrida
Donde alimentas os que dormem
E sonham que a vida vem dos mortos
E a eles se submetem voluntários...

Maestro da morte,
Não vês que a ti mesmo te aprisionas
No fruto da tua vontade de poder?
Já comes da tua própria carne e não vês...

Não vês que as tuas doenças vêm à tona
E do cálice que bebes não vem remédio
Se não mais doença?

Nada há de vida na carcaça dos mortos
Muito menos nas marquises que erigis
Sobre os pilares dos pensamentos mágicos,
Nascidos do medo de ver
Nos tempos imemoriais
Onde a consciência insistia em manifestar-se...
Chico Steffanello
Enviado por Chico Steffanello em 17/04/2006
Código do texto: T140739

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Chico Steffanello
Sinop - Mato Grosso - Brasil, 58 anos
246 textos (31056 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:50)
Chico Steffanello