Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MANGUEIRA

- para Jorge e Zélia -

Colhi tantos frutos na vida
que chegada é a hora de ficar
na paz da casa do Rio Vermelho,
beijando com saliva as minhas raízes.

Na mangueira quarentona,
a memória plantada se apegou
às mais ternas canções do Caymmi,
brotando páginas crescidas em árvores.

Dos filhos tidos, desfolhados,
à sombra da copa que alimenta
a preguiça de ficar para não crescer:
ah, como queria ter os pés nos galhos!

Hoje, bem daqui-a-pouquinho,
voltarei a embermudar a rede que cochila
pendurada em silêncio, qual um bicho dolorido,
esquelética e vertical naquele canto sem paredes.

Hoje, bem daqui-a-pouquinho,
voltarei a dar “graças a Deus” e graças a Zélia.
Preciso, agora, mais de amor do que das memórias,
e ela me devolverá com as mãos de quarenta histórias.

Ela me replantará no quintal da Casa do Rio Vermelho,
sob os cuidados da sombra daquela mangueira,
onde namoramos até que tornei-me seiva.

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 03/05/2005
Código do texto: T14433
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:34)
Djalma Filho