Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Inutil Crueldade

Ao som de canhões, aviões e cães latindo e rasgando coxas humanas,
Nas vastas filas de uma atroz e cruel caminhada ao fim de tudo...
Ainda persistia a vontade de primaveras presentes e futuras.
Nem mesmo a cara rabugenta de um soldado em armas
Conseguiu segurar a gargalhada estrondosa do menino de cabelo raspado,
Que vislumbrou no vôo majestático de uma borboleta multicor
O sonho de Ícaro, dando asas a seus pensamentos...
Quando a porta do barracão se fechou a mãe abraçou ao filho
Com tanta força que provocou lágrimas em todos,
O menino sorria para a sua mãe imitando a borboleta.
Mãe e filho, ao centro de toda aquela gente, beijavam-se.
Enquanto a fumaça mefistofélica impregnava o local,
Últimos suspiros foram dados e todos tombaram ao chão
A mãe ainda abraçada ao filho, que sorria ao porvir...
Ao porvir...ao porvir...ao porvir...ao porvir.
Dante Sulliver
Enviado por Dante Sulliver em 24/04/2006
Código do texto: T144366
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dante Sulliver
Gavião Peixoto - São Paulo - Brasil, 39 anos
20 textos (1168 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:39)
Dante Sulliver