Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CAFÉ RALO DA MANHÃ

Teve medo de se afastar,
junta ficou.
Pediu perdão sem sequer
pecar ou ter pecado.
As mulheres do dia são frágeis,
mas o medo de acordar sem ninguém
lhe fez, dignamente, recuar...
... sem enviar as malas ao destino.
Marialva
guarda o desatino das loucas
mulheres partidas por tanta solidão.

Teve um acesso de tosse,
junta calou.
Pediu perdão sem jamais
falar ou ter falado.
As mulheres da tarde são dóceis,
mas o medo do tempo, em rouquidão,
lhe fez, silenciosa, engasgar...
... com o grito entalado do pigarro.
Marialva
guarda, dormida, a voz das insones
mulheres tardias que custam a deitar.

Teve desejos impuros,
junta deitou.
Pediu licença às cobertas
para povoar a nudez.
As mulheres da noite são miragens,
mas o medo do corpo, feito do barro,
lhe fez submissa da costela...
... com o esperma bom para a pele.
Marialva
busca o afeto quieto das eternas
mulheres quando esfriadas no amor.

Amanhã,
Marialva voltará a arrumar as malas para fugir.
Mas desistirá de ir ao ver seu companheiro
comendo torradas, engolindo apressado
o café ralo da manhã, feito só para ele.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 03/05/2005
Código do texto: T14447
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:34)
Djalma Filho