Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vida de Torto

fui de teste
em teste,
procurando festa
nos bolsos
dos homens.

fui mal visto,
e celebrado
como
colossal
fariseu.

era o
Dedo de Agulha
que nascia
em meu
corpo,
fogoso,
ácido,
afugalhado.

fui ácido,
viseiro,
quase
insensível,
mas, quando
me vi
no espelho,
na volta,
já não mais
o plácido
e vesgueiro
homem,
me retirei
dos ponteiros
e fui marcar
as poucas
horas.

navegava em
duas tábuas,
refletia em
mim
o morno
insulso do
sol,
e a débil
lua
desanimada.

em meus
graves sonhos,
tidos
de meia-idade,
só vejo
os passos
dos que
foram
sem viver,
e os vigos
dos que
vivem
sem saber.

na festa
dos homens
mal-amados,
sou o mais
falido,
o mais tentado
a me fazer
agil
comandante
dos
desarmados.

e se o Dedo de Agulha
me fere,
fere a você
também.

tira e põe
e sai
fagulhas
de pão.

de leve,
somos todos
esperados,
somos plumas
que voam
pro amanhã,
sem saber
que dia é
de morrer
e prá sempre,
e dia de viver
é do agora, que
não cansa
de esperar,
igual à luvas
desesperadas
de preto.

e se você vive
no tempo
do Dedo de Agulha,
saia do fronte
porque,
bem lá tráz,
vem um
cajado de vento.

é a vida e a morte
de mãos dadas.

e viva você!
ria da vida
e chore na ida.

quem passou,
passou,
igual às,
ficou.

quem tem,
já perdeu.
quem é,
daqui há pouco
já não faz.

e,ao longe,
a morte
oca,
brinca
de cerejas
com a vida,
e a vida
vai iluminada
ancorar
em outro porto.

vida de torto,
pois no
Dedo de Agulha
todo mundo
peleja,sem
vela,
sem horto !
José Kappel
Enviado por José Kappel em 25/04/2006
Código do texto: T144862
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26783 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 14:23)
José Kappel