Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Devaneio

Ao pensar em rabiscar uns versos,
Pego um lápis e um papel qualquer.
Escrever o que?
Ser homem? Ser mulher?
Escarrar as letras,
Vigiar entre um verso e outro.
Cuidar em não ser coeso,
Afinal, todos os padrões já morreram,
Só que ninguém percebeu.

Eu, o poeta de uma loucura triste
Encarrego-me de alertar:
NÃO ME ESCUTEM!!!

Existem gritos ao meu redor,
Meu papel é irregular
E acho mesmo que perdi a conta
De quantas vezes o mundo acabou.
Que confusão!
Agora é tudo de novo:
Adão ou Eva?
Quem começa?
O paraíso é logo ali...

Eu, o poeta de uma tristeza louca,
Encarrego-me de alertar:
ESCUTEM-ME, POR FAVOR!!!

A intensidade da carência
De novos tempos, há muito se manifesta.
Sou um instrumento da providência poética.
Sou um louco com um lápis na mão.

Mais atenção, senhoras e senhores!

Este poema morre aqui.
Dil Erick
Enviado por Dil Erick em 03/05/2005
Reeditado em 13/08/2015
Código do texto: T14577
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dil Erick
Macapá - Amapá - Brasil, 29 anos
325 textos (13536 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:19)
Dil Erick