Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ambiguidades

Ambigüidades

Da rosa, o perfume que não exala.
Da brasa, entre cinzas, a centelha.
No mais íntimo do silêncio, o que não cala,
No pior momento, ainda em tormento, não ajoelha.
Do tempo, as pétalas que foram subtraídas
Dos inocentes, as culpas que não foram perdoadas
Das lágrimas, as que foram pela face sorvidas
E para sempre no rosto ficarão estampadas.
Do exilado, do cativo, o que nunca será descoberto
Da vida, o não saber quantas horas restam,
Gastando-se a lâmina, ferindo a pedra,
Da certeza, o que nunca se tem de certo.
Do mais alto, o giro que sempre traz a queda,
Da fé, o que busca a essência incrédula
A fração ainda que minúscula, o pandemônio
O demônio habita Deus, Deus habita o demônio
Nada separa, se confunde, se lacra ou veda
De tudo, em tudo, dois lados, a mesma moeda.

Tonho França.
Tonho França
Enviado por Tonho França em 27/04/2006
Código do texto: T146506
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tonho França
Guaratinguetá - São Paulo - Brasil, 51 anos
82 textos (5756 leituras)
4 e-livros (356 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:56)
Tonho França