Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cautela, João

O céu está ficando cinza
É morre daqui
É morre dali.

Iguais flores donzelas
Sendo colhidas por
mãos hábeis,
para serem postas
em jarras invisíveis.


É morre daqui
É morre dali.


E o o céu mais cinza
- coroado de exito!

Os homens estão ficando
fracos
ou já são fracos
e indefesos?


Apesar da coroa
que de bronze
apelidados.

Dna.morte chama João,
depois José,
deixando plantados
num corpo de
cordas,
espécies raras de
nogueiras de um
ramo só.

E todos se quedam,
E sem falar nada
os levam
à beira do nada.

Nuances de pajéns
sem tabas.

Hoje é dia,
eu sei,
de alguém ser levado.


Já espero na esquina
o primeiro aviso:
- Ei, João, primeiro da classe,
ele já se foi,
torto como um
guerreiro ancião.

Hoje. já sei, é dia
de levarem
meu melhor amigo
- por isso do céu tão cinza !

João, dá volta,
deixe de mal-estar,
dona morte
leva, e
não traz não

Hoje, já sei
é dia cinza
de levarem
meu melhor amigo.

E me consolam
com doces:
se hoje era fruto
de água
amanhã será
pura branca chuva.

E me consolam
com cores de
jasmins:
se no jardim
alguém se planta
no mesmo jardim
será meia-luz.

E hoje é dia cinza.
Se acautele João:
É morte daqui,
É morte dali !


Se acautele João,
pois cinzas estás
ficando.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 29/04/2006
Código do texto: T147194
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26786 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:26)
José Kappel