Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Virado ao Avesso

Sou virado ao avesso
como copo quebradiço.
Uma hora em pé,
outra deitado.
Sou homem de poucos recursos,
sou homem de pouca visão;
Se me perco, perco na hora
Não tenho antevisão.
Sou pára-raios da imensidão,
um grão de corpo
em sua mão.

Pois dela velo e augusto,
me permeio,contristo
mas vazio fico
quando parte no meio da noite
a procura do que não é meu.

Nem cheguei às portas da
imensidão
e já sou meio vazio - copo quebrado
avesso a verdade,
titubeante diante dos retratos!

Eles me dizem que fui homem
que já foi;
pérola de criança que criança
que
se perdeu
no meio do matagal sem trilhas
num mundo sem sol.

Se puder em grito
e se grito, mais me perco.Se acho
sou sempre o segundo.
O primeiro da vez tem o sentido.
Uma vez por outra sou seu quem fala.
E me ouço e me peço:
trás de volta os perdidos de
caminhos de ontem;
trás de volta os que me ouvem, mas não me sentem.
Hoje sou pura máscara, adornada de cetim,
procurando explicação dentro
da resposta.
E como não há respota, me calo e meu vou.
Vou às 6 ou às 7h, da manhã ou
da própria tarde.
Porque dentro de meu próprio
corpo já não sei distinguir
a volúpia do medo
dentro das estranhas
e da ansiedade!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 03/05/2006
Código do texto: T149393
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26783 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:44)
José Kappel