Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
NO DIA DA LIBERTAÇÃO



Só notei que era Abril quando acordei
da asfixia geral, assim que o mar
cavalgou a muralha, espuma no ar
chicoteando as grades. Mas não sei


se era o mar ou o sangue, que ateei
de chama inquieta, de alma a crepitar
no meio da alvorada, ou se era o esgar
do silêncio daninho que arranquei.


Punhos cerrados estilhaçam portas,
animam-se de ritmo as horas mortas
como crisálidas que a luz invade.


Instalam-se canções de pedra e cal.
O vento expulsa os medos do olival.
Respiro o amor, o beijo, a liberdade.
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 04/05/2006
Código do texto: T150231
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21282 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 20:19)
CARLOS DOMINGOS