Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

       CAXIAS CELA 24


Estas grades de ferro
colocadas entre mim e a vida,
este brado de alerta
dos guardas na muralha,
este silvo de solidão
a varar-me os ombros,
este bloco de espaço
cada vez mais denso
e mais estreito,
este esgar de ameaça
pendurado na porta
de duas em duas horas,
nada,
nada consegue a força
de impedir a tua entrada.

Olho-te e sorris
como se adormecesses
no meu colo.
Sonho recordações
que juntos respirámos.
Retomo as forças
espalhadas pelo chão,
converso, canto
e percorro quilómetros
sem parar.
Esta cela quase não aguenta
a carga de alegria que me invade.

Entre as quatro paredes,
que se apertam dia a dia,
sou livre!
Ouviram bem? Sou livre
e vem à minha cela
quem eu quero.
Os meus amigos, todos,
sentam-se no catre a meu lado
(é só recordá-los, um a um).
E tu, dentro de mim,
explicas
o porquê destas lágrimas espessas
que me queimam o riso.

Nunca estou só.
Há sempre quem chega
e quem parte
pelos corredores da memória.

Tu permaneces
para além do silêncio
porque tu és a vida
que me respira.
Ninguém pode impedir
o nosso abraço.

O Tejo, ao longe,
pisca um reflexo fugidio
como um apelo. As grades
diluem-se no tempo.




 
                                    (Prisão de Caxias, Novembro de 1972)
CARLOS DOMINGOS
Enviado por CARLOS DOMINGOS em 04/05/2006
Reeditado em 09/11/2008
Código do texto: T150384
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CARLOS DOMINGOS
Portugal
80 textos (21286 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 11:18)
CARLOS DOMINGOS