Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

São oito horas da noite

São oito horas da noite



São oito horas da noite,
Muito cedo para me aborrecer com as palavras,
Fumar, pois então, delimitar a ideia. Às
Vezes faço isto, rodar dois dedos um no outro,
Accionar o prazer, esquecer, ganhar tempo.
Jornais para quê? Antes a Internet, ver-me aí
Na luz sublime do ecrã, o branco maximizado,
Um escorregar na cadeira, vazio completo.
É uma clareira que procuro, não vale a pena a dor
Inflamada a soturna emoção, ou a sombra do diabo, amanhã, logo ou agora, tudo
Estará na mesma. Menos eu, no vale gigante do intervalo,
Compondo a sinfonia do vagabundo, dissertando
De perna cruzada cada momento.

Saindo do corpo, vendo.

Constantino Mendes Alves
Enviado por Constantino Mendes Alves em 06/05/2006
Código do texto: T151197
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Constantino Mendes Alves
Portugal
324 textos (3787 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:21)
Constantino Mendes Alves