Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Carta a um ancestral

Carta a um ancestral

Paulo Camelo

Permite que te escreva.
Não te conheci mas te admiro.
Não te conheci
assim como nenhum de teus descendentes
netos, bisnetos, trinetos..

Por não me conheceres,
talvez estranhes.
Estranhes a ousadia,
o tratamento, a grafia,
estranhes o mundo
se eu te contar
a quantas o progresso nos levou.

Sim, o progresso. Teu ideal,
aquele progresso que perseguiste,
alimentaste, ajudaste,
não o reconhecerias.

Desculpa também a grafia
com a qual me comunico,
se estranhas a ausência
daquelas consoantes mudas,
dos dígrafos hoje modificados.

Perdoa também o tratamento,
meu falar intimista,
todavia respeitoso.
É que o mundo de hoje
nos leva a isso.

Hoje estou a te escrever
como um filho teu talvez não ousasse,
quando aqui tu estavas.
Não entendas com isso
que eu te imaginaria um tirano.
Tu não o eras.

Mas a vida é finda,
teus ideais e projetos
contigo sepultados.
No teu pouco viver, porém,
criaste e transformaste,
amaste e foste amado.

Na cidade e no campo,
entre as casas
ou entre os canaviais,
iluminando as ruas
ou semeando as várzeas,
foste sempre o tão inesquecível
Urbano.

16/01/1987
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 06/05/2005
Código do texto: T15180
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
909 textos (260174 leituras)
36 áudios (10732 audições)
6 e-livros (1679 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:37)
Paulo Camelo

Site do Escritor