Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONTRADIÇÕES MODERNAS



Quantas imagens vemos aos montes
e quão belas cenas nas TVs modernas:
Vemos multidões em grandes passeatas
Com causas diversas – e opiniões semelhantes.
 
Uns protestam
Contra a fome no mundo
Outros, contra a Guerra
No Oriente Médio.
 
Há aqueles que buscam
Um planeta mais digno
Pela ecologia da terra:
A salvação da terra
 E uma atmosfera mais limpa.
 
Outros defendem
Os direitos iguais
Para as minorias
Sem distinção
De sexo, cor, raça
Ou classes sociais.
 
Pessoas assim
Querem ao mundo mudar
E o que dizer de suas vidas
E do próprio pensar?
 
Em seus belos discursos
Defendem causas tão nobres
Mas em seus pensamentos íntimos
Podem ser os hipócritas de sempre:
“revolucionários” por fora,
mas conservadores por dentro.
 
Podem trazer a semente
De uma Nova Era
Com seus pés enraizados
Em contradição profunda.
 
Aqueles que reclamam
Contra a fome no mundo
Seriam capazes
De dar a esmola – que é sua
A um mendigo qualquer
Que encontrassem na rua?
 
E quanto àqueles
Que protestam contra as guerras
E proclamam a paz mundial
Seriam capazes
De perdoar ao “inimigo”
Com quem travam
Uma contenda pessoal?
 
E as palavras ferinas
Que proferimos
Contra o nosso vizinho
Não é também uma forma
De “violência” humana?
 
E os pensamentos de inveja,
As intrigas e fofocas,
As palavras amargas
E cheias de astúcia,
As ofensas – e até as calúnias
Do nosso dia-a-dia?
 
Por que lutam os homens
Contra as injustiças
Da humanidade inteira
Se somos injustos
Uns com os outros
De todas as maneiras?
 
Mais fácil seria
Começarmos humildes
Com o viver diário
A vida em família
Ou com nosso vizinho.
 
Desfazendo os laços
Dos conflitos pequenos
E dos dramas humanos
Que permeiam o enredo
De nossa vida em comum
E nosso próprio destino.
 
SER UNIVERSAL
Não é apenas
Defender grandes causas
Mas também engrandecer
Nossa própria alma.
 
SER UNIVERSAL
Não é apenas marchar
Nas praças públicas e campos abertos
Ou enfrentar os grandes Poderes,
Pois PODER maior temos nós
Para deixarmos de ser sistema
E nos tornarmos PESSOAS
Deixarmos de ser rebanhos
E nos tornarmos OVELHAS.
 
Agindo assim
Buscando a grande revolução
De nossos sentimentos
Do modo de ver e pensar
Do modo de ser – e do humilde saber
O mundo não será apenas diferente
Será como a imagem de um espelho
De nosso grande mundo pequeno.

Pedro Ernesto Prosa e Verso
Enviado por Pedro Ernesto Prosa e Verso em 09/05/2006
Código do texto: T153016
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Pedro Ernesto Prosa e Verso
Fortaleza - Ceará - Brasil
439 textos (8782 leituras)
1 e-livros (6 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:40)
Pedro Ernesto Prosa e Verso

Site do Escritor