Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INTIMIDADE / ELEMENTAR / SETE / ZOOLÓGICO CELESTIAL

INTIMIDADE

Fora da casca
E dentro da coisa
Fora da clara
E dentro da gema
Fora do ar
E dentro do respirar
Fora de hora
E dentro do tempo perdido
Fora dos letreiros
E dentro da luz.

ELEMENTAR

De que somos feito?

Se bem me lembro, de hidrogênio, carbono,
Estática e um nanograma de imperfeito...

De osso duro de roer.

Somos cavalos por aproximação oxigênica,
Somos a tinta a nos inscrever
Numa possibilidade clonada e transgênica...

Talvez eu seja a sua gravata
Como és a minha africana melodia.

Talvez, como Pessoa, nada
Entre o sol da meia-noite e o céu do meio-dia...

Se compararmos nossos tensos nervos
Talvez descubramos efetiva aproximação...

Um quilate de sufocado medo
Na mina oculta do nosso coração...

Mergulhemos, os dois, no oceano
Vermelho e encontremos a ilha
Onde traçamos o melhor plano,
Viver, como se deve, a vida...

Bebamos, como Baco, da vinha celeste.
Os elementos estão soltos pelo ar.
E em nossa unidade a prova inconteste:
Elementar é viver, elementar é amar.



SETE

É sempre sete a conta que no fim das contas sempre dá.

Sete chagas, sete pragas,
Sete meias e uma para calçar,
Sete jeitos para não ascender
E sete vidas além da que já há.

Como se eu tivesse sete membros
E um que vai chegar,
Sete templos e um só Avatar,
Sete espíritos
E um para espirrar...

Se eu tivesse sete canivetes e uma só lata para abrir
Haveria de achar sete jeitos para me confundir,
Sete semanas passaria na montanha
E encontraria sete entranhas
E uma só para fugir...

Sete é o macho da seta,
Da última porta aberta,
Sete pontos de acupuntura,
Sete noites escuras,
Sete vestes
E uma só para me cobrir...

Que fossem sete os dinâmicos portais,
Ainda assim eu acharia sete animais
E escolheria um para sacrificar,
Com sete garras
E uma para me agarrar,
Ainda assim acharia sete jasmins
E, todos eles,
Perto e tão longe,
Que o aroma exalado
Seria sete espelhos dentro de mim,
Sete portas para o infinito,
Uma só para o cósmico jardim.


VISITA AO ZOOLÓGICO


O que me faz diferente do macaco
É que descasco a banana,
A unto com mel,
Uso o garfo,
O prato,
O papel,
Para limpar meus lábios
Manchados de natureza.

O que me faz diferente do urso
É que unto com mel
As bordas do céu
E uso a palavra,
A larva paradigmática
para entrar no Éden
Onde todos dão
E poucos recebem.

O que me faz diferente da jaula
É que eu a criei,
Expus-me expondo o ser
Que sou, sem perceber,
Que tenho a chave,
Que sou a liberdade
E o desprazer
De não entender
A língua de quem fala
Sem falar
Por estar do outro lado
Da jaula
Do seu perceber.

O que me torna igual
É ser um animal
Cheio de corredores
Com portas enfileiradas
Que dão pra dentro
Do que é pra ver
Antes da mutação
Acontecer.

O que me torna igual
É ser decomposto
E lançado e posto
No zoológico celestial.


Preto Moreno




































































































































































































































































































































































































Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 10/05/2006
Reeditado em 23/05/2006
Código do texto: T153806

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6777 textos (102524 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 04:07)